''Vós sois todos irmãos'' (Mt 23,8)


Publicado em 01 Fevereiro de 2018
Compartilhe:      

''Vós sois todos irmãos'' (Mt 23,8)

Goias, fevereiro de 2018.

 

Prezados (as)

 

No dia 14 de fevereiro iniciaremos o temo da quaresma que culmina nas celebrações do Tríduo Pascal: paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Somos convidados, mais uma vez a entrar de cheio com as nossas atitudes no mistério central da nossa fé. Diz são Paulo: “Se morremos com Cristo, com ele também ressuscitaremos!” e ainda “Quem conhece a Cristo, o poder da sua ressurreição e a comunhão em seus sofrimentos, para tornar-me semelhante a ele em sua morte, a fim de alcançar, se possível, a ressurreição dos mortos! (Fl 3, 10-11).

A quaresma nos convoca a conversão, mudança de vida. Os exercícios quaresmais que a Igreja nos propõe são jejum, esmola e oração. O jejum, recomendado na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa. Ele nos convida a centralizar nossa atenção para o essencial da nossa vida de fé. A esmola é a partilha generosa com aqueles que mais sofrem. A oração nos mantém unidos a Jesus Cristo para permanecer no seu amor.

Todos os anos, a CNBB apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho concreto de conversão. Este ano o tema escolhido é: “Fraternidade e Superação da Violência” e o lema: “Vós sois todos irmãos”. A campanha tem como objetivo geral: “Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, a luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”. Hoje, em muitos âmbitos da nossa sociedade, temos muita corrupção, morte e agressividade nos gestos e palavras. São mais de 60 mil homicídios por ano, na sua maioria, jovens, negros e pobres. São mais de 50 mil vítimas fatais nas nossas rodovias. Vivemos cada vez mais em situação de violência verbal para aqueles que pensam diferente. Estes são rejeitados, condenados. Penso que a violência só será superada quando houver mais justiça social e quando aquele que é diferente não será visto como uma ameaça, mas como um enriquecimento. Faltam muito diálogo e aceitação que o outro possa pensar diferente.

Participei do 14º Intereclesial das CEBs em Londrina. Houve celebrações muito profundas, palestras excelentes, partilhas enriquecedoras. Pude encontrar muita gente comprometida e acreditando, em nome da fé, que outro mundo é possível. A comunidade, a Palavra e o compromisso com a transformação deste mundo são as bases das CEBs. Infelizmente algumas redes sociais só viram coisas negativas e tentaram destruir a beleza destes encontros. Sabemos que precisamos melhorar alguns aspectos destes Intereclesiais, mas não podemos jogar fora a criança com a água do banho. Vamos dialogar e não nos agredir! É um contra testemunho!

Convido os nossos(as) leigos(as), as religiosas e os padres a participarem do retiro-estudo sobre a “Iniciação à Vida Cristã”. Será uma boa oportunidade para voltar ao essencial: como fazer uma profunda experiência de Jesus Cristo, conhecer a sua mensagem e construir juntos o seu Reino.

Já estamo-nos aproximando da nossa próxima Assembleia Diocesana, tempo forte de renovação para nossa Igreja Particular. Que o Espírito Santo nos ilumine!

 

+Dom Eugênio Rixen

Bispo da Diocese de Goiás

 


Fonte: Pascom Diocese de Goiás